Por que a Igreja Católica precisa de dois tipos diferentes de sacerdócio
Notícias
            Informações             Notícias             Por que a Igreja Católica precisa de dois tipos diferentes de sacerdócio
04/04/2019 Por Stephen Bevans e Robin Ryan - America Magazine - Tradução: Ramón Lara (Dom Total) Notícias Por que a Igreja Católica precisa de dois tipos diferentes de sacerdócio Diocesanos e religiosos são modos distintos de ser padre e devem ser pensados em suas especificidade.
O sacerdócio religioso se assemelha e complementa o diocesano. (Alessandro Bianchi/ Reuters)
A+ a-

Os leitores da edição de 27 de dezembro de 2018 da revista Origins encontrarão um documento que é teologicamente rico e pastoralmente inspirador. Servir ao povo de Deus: renovar a conversação sobre o sacerdócio e o ministério é uma nova declaração importante sobre o sacerdócio, resultado de um seminário de dois anos cujos participantes eram membros do corpo docente e outros afiliados ao Boston College. O grupo de estudo foi presidido pelos eminentes teólogos Richard Lennan, Richard Gaillardetz e Thomas Groome. Estava composto de mulheres e homens, leigos e clérigos, acadêmicos e profissionais de pastoral.

Os autores reconhecem que, embora o documento reflita dentro dos limites dos desafios e das culturas dos Estados Unidos de hoje, eles esperam que “sua abordagem possa ser benéfica para outras igrejas locais.” Embora seu ponto de partida seja a atual disciplina e ensino da Igreja Romana. A Igreja Católica, ao ordenar somente homens celibatários ao sacerdócio, reconhece que existe, no entanto, “discernimento contínuo” sobre tais questões dentro da comunidade da Igreja.

Tanto a introdução como a conclusão de Servir ao povo de Deus sugerem que pode servir de “base para a discussão de todas as questões que afetam o sacerdócio ordenado”. É esse convite que nos levou a oferecer algumas reflexões em conversa com o documento sobre outro tipo de sacerdócio que é exercido na Igreja - o sacerdócio que é vivido dentro da vida religiosa ou consagrada. Fazemos isso como sacerdotes religiosos e como editores de um novo livro sobre o sacerdócio na vida religiosa: O sacerdócio na vida religiosa: buscando novos caminhos para a frente(Liturgical Press, 2018).

Uma Igreja Missionária, um ministério que serve missão

A parte 1 de Servir ao povo de Deus expõe a eclesiologia em que o ministério, e especialmente o ministério ordenado, pode ser adequadamente entendido. A chave para essa eclesiologia é a natureza sacramental da Igreja, tornando-a “sinal e instrumento de comunhão com Deus e de unidade entre todos os povos” (Lumen gentium, 1). Tal sacramentalidade estabelece um “laço irredutível” com a missão; entendida aqui segundo a ênfase do Concílio Vaticano II sobre a Igreja como “missionária por própria natureza” (Ad Gentes, 2). Os membros da Igreja, inspirados e guiados pelo Espírito Santo, são chamados para serem discípulos de Jesus Cristo, identificando-se com sua vida e missão. Criar discípulos para fazer a Igreja brilhar em sua natureza sacramental é o contexto para o exercício do ministério.

Nem todos os cristãos são chamados ao ministério, mas todos são chamados, como discípulos, a participar de várias maneiras - através do dom do Espírito - na missão da Igreja. "Para o bem da missão da Igreja, os ministros guiam e apoiam os membros do corpo de Cristo, encorajando-os a responder ao Espírito de seu batismo", escrevem os autores. “O coração do ministério, portanto, está em formas de serviço que ajudam na realização da missão da Igreja.”

O sacerdócio ordenado em uma Igreja missionária

Neste contexto eclesiológico, a parte 2 do documento descreve “Um perfil do sacerdote bem-formado”. Todos os cristãos participam do sacerdócio batismal como discípulos. Os ministros ordenados ajudam a cultivar esse discipulado. Esses ministros ordenados fazem isso por uma missão especial (ordenação) que confere um caráter particular e os conforma a Cristo como a cabeça do Corpo. O batismo e a confirmação conferem caracteres que “estabelecem a identidade dos crentes como discípulos, orientando-os a compartilhar a missão da Igreja”.

Da mesma forma, a ordenação confere um caráter que também é para a missão, um caráter que capacita o ordenado para a liderança da Igreja com a autoridade e o espírito de Cristo. Ordenação "reposiciona" o padre dentro da comunidade de fé para o bem da missão da comunidade. O documento cita Pastores dabo vobis”, 15: Os sacerdotes “promovem o sacerdócio batismal de todo o povo de Deus, levando-o à sua plena realização eclesial”.

Para o sacerdote fazer isso efetivamente, o documento descreve cinco características do ministério sacerdotal que devem servir como objetivos da formação sacerdotal. Os sacerdotes devem ser: pregadores competentes; líderes inspiradores de adoração e oração; líderes comunitários que colaboram com os leigos, especialmente as mulheres; representantes dignos e competentes da Igreja; e praticantes da “caridade pastoral”. Essas reflexões, em nossa opinião, representam alguns dos parágrafos mais inspiradores e desafiadores do documento.

Uma formação que inclui os leigos

A parte 3 de Servir ao povo de Deus identifica algumas maneiras pelas quais os programas de formação podem contribuir para o desenvolvimento de ministros ordenados que podem incorporar os ideais mencionados acima. Deve-se ter cautela ao admitir alguém nas escolas que preparam candidatos para a ordenação, os seminários, e o discernimento deve ser feito em relação à maturidade humana e psicossexual, sua capacidade de crescimento espiritual, seu entusiasmo pelo serviço pastoral e sua capacidade de integrar seus estudos acadêmicos em sua espiritualidade e vidas pastorais.

Os autores recomendam que aqueles que estudam para o sacerdócio não sejam isolados dos leigos. Mulheres e homens leigos devem ter um papel a desempenhar na formação do seminário e os seminaristas devem ser educados e formados ao lado daqueles que se preparam para o ministério leigo na Igreja. “Os benefícios que se têm quando os seminaristas diocesanos e os que estão em formação para o ministério eclesial leigo estudam juntos falam da importância de adotar essa abordagem sempre que possível.”

A parte 3 continua falando sobre a importância da formação permanente. A atualização é essencial para os sacerdotes como profissionais, uma noção que é plenamente conciliável com o sacerdócio como vocação. A formação também ocorre quando os padres colaboram e aprendem com os ministros leigos, e se educam em resiliência e esperança.

A breve seção conclusiva resume os cinco aspectos da identidade sacerdotal mencionados anteriormente e exige audácia e criatividade no espírito do Papa Francisco. “As especificidades do futuro do sacerdócio, como todos os aspectos da vida da Igreja, são desconhecidas (e incognoscíveis). No entanto, o Deus que deseja tornar todas as coisas "novas" (Apocalipse 21, 5) o Deus que é "novidade eterna", capacita a Igreja, através do Espírito, a construir um caminho para o futuro".

Um exercício distinto no Sacerdócio

O seminário da Faculdade de Boston é bastante claro que seu documento se concentra “particularmente nos sacerdotes diocesanos e sua formação” e, como tal, é excelente - certamente uma das melhores reflexões sobre o sacerdócio que já lemos. Nosso pensamento aqui é complementar as reflexões do documento com aquelas que irão destacar como o sacerdócio religioso é um exercício distinto no sacerdócio, e que é de todas as maneiras complementares ao sacerdócio exercido e vivido pelos sacerdotes diocesanos. É um sacerdócio que é moldado pela vida religiosa, onde a identidade primária da pessoa ordenada não é o próprio sacerdócio, mas a sua participação em uma determinada comunidade religiosa.

É claro que estamos cientes de que “vida religiosa” é um termo que abrange muitos territórios complexos. Nem todos os "sacerdotes religiosos" são religiosos canonicamente. Alguns fazem votos (solene ou simples). Outros são canonicamente membros de “sociedades de vida apostólica” e ligam-se por “promessas” ou “juramentos”. No entanto, sejam Beneditinos, Passionistas, Missionários do Verbo Divino ou Maryknoll, os sacerdotes ordenados nessas comunidades exercem e vivem outro tipo de sacerdócio, distinto daqueles diretamente relacionados a uma diocese e um bispo.

Na vida religiosa de hoje, a ênfase é colocada em fazer da vida da comunidade o centro de sua vida, uma fonte de grandes amizades e vida afetiva, uma vida em que se encontra não apenas "comunidade" (convivência), mas "comunhão".

Sacerdócio moldado pela comunidade

Sacerdotes que são religiosos são ou devem ser moldados por sua comunidade religiosa. Servir ao povo de Deus insiste que os padres hoje não podem ser “solitários”, devem colaborar com homens e mulheres leigos (incluindo, imaginamos, homens e mulheres religiosos) e precisam extrair o “sustento de relacionamentos dentro da comunidade cristã” e o mundo mais amplo” (incluindo seus irmãos padres). Os sacerdotes religiosos, no entanto, estão comprometidos com uma vida comunitária muito mais intensa com os membros de sua própria congregação religiosa. Na vida religiosa de hoje, a ênfase é colocada em fazer da vida da comunidade o centro de sua vida, uma fonte de grandes amizades e vida afetiva, uma vida em que se encontra não apenas uma "comunidade" (convivência), mas a "comunhão".

Embora esse tipo de compromisso com a comunidade não exclua, de forma alguma, amizades próximas com mulheres e homens que não sejam membros da comunidade, ela insiste em certa prioridade na participação em orações comunitárias, refeições e eventos congregacionais especiais. Na comunidade religiosa, os membros ordenados geralmente vivem com membros leigos e não ordenados (irmãos religiosos).

Muitas vezes - certamente mais e mais aqui nos Estados Unidos - a comunidade é marcada pela multiculturalidade, um fato que exige a interação mútua referida como “interculturalidade”. Como religiosos de várias culturas, gerações e sensibilidades acotovelam-se ano após ano. Eles poderiam mais facilmente adquirir a flexibilidade de “bambu” que v?nThanh Nguy?n, SVD fala em seu ensaio em um livro publicado recentemente. Viver uma vida de comunidade real nem sempre é fácil, mas pode ser profundamente recompensador. A comunidade passa por muitos lugares difíceis e inspira os religiosos de inúmeras maneiras. É uma fonte de forte apoio, desafio e edificação.

O ministério sacerdotal assim formado pela comunidade pode ter características distintas e até algumas vantagens. Viver honestamente com outros homens dedicados pode ter o efeito de desassociar um padre de qualquer tipo de "especialidade" que o separaria daqueles com quem ele vive ou daqueles a quem serve. Viver em alojamentos próximos com leigos pode tornar um padre menos desajeitado e mais aberto a mulheres e homens leigos. O seminário da Faculdade de Boston recomenda que os candidatos ao sacerdócio sejam formados em conjunto com mulheres e homens leigos. Isso é algo que as congregações religiosas já fazem há anos em escolas de teologia “Union”, como Washington Theological Union em Washington, D.C., Catholic Theological Union em Chicago e a Graduate Theological Union em Berkeley, Califórnia.

Viver em uma comunidade intercultural pode tornar um padre religioso particularmente sensível à multiculturalidade da paróquia, do hospital, do âmbito acadêmico ou de outras comunidades nas quais serve. Viver em uma comunidade de igualdade pode ajudar a capacidade de um padre religioso de colaborar mais facilmente com aqueles junto dos quais ele ministra. E o tipo de liderança exercido nas comunidades religiosas pode afetar o modo como um membro ordenado de uma comunidade religiosa lidera e coopera com a liderança em seu ministério.

O sacerdote do Sagrado Coração, David Szatkowski, escreve como o compromisso com a comunidade na vida religiosa pode ser vivido concretamente em uma liderança paroquial comunitária que tentaria implementar o cânon 517 em relação ao solidum. Esta estrutura canônica confia o cuidado de uma paróquia a vários padres ao mesmo tempo, para que eles responsavelmente exerçam seu ministério pastoral através de um esforço conjunto. A comunidade molda claramente o sacerdócio na vida religiosa e inspira particularmente o tipo de “caridade pastoral” com a qual eles ministram.

O sacerdócio marcado pela testemunha profética

O Papa Francisco, particularmente durante o Ano da Vida Consagrada em 2015, convocou mulheres e homens religiosos para abraçar o aspecto profético da vida religiosa. A principal maneira que os religiosos fazem isso é a profissão pública de votos (ou promessas) de castidade, pobreza e obediência. Vivida autenticamente e reflexivamente, a vida religiosa pode oferecer um estilo de vida surpreendentemente contracultural, pois seus membros aceitam voluntariamente uma vida única e celibatária por um serviço e dedicação mais arriscados e desinteressados, uma vida simples de comunidade de bens em um mundo de consumismo e acumulação e uma vida que evita a ambição pessoal e a realização de uma vida aberta a trabalhar pelos objetivos de sua comunidade.

Esses votos, no entanto, devem levar a religião a outras ações e posturas proféticas, tanto na Igreja quanto no mundo em geral. Escolhas de lugares de ministério sacerdotal, por exemplo, podem ser determinadas pela opção da congregação pelos pobres. As decisões de promover os leigos em ministérios específicos, especialmente para incluir as mulheres em um nível significativo, podem ser o resultado de uma compreensão da obediência que promove a consulta e a ampla participação. Mais ministérios de ponta, como trabalhar com migrantes e requerentes de asilo, pressionar por reformas contra a pena de morte, manifestar-se em lugares que poderiam prender padres presos e ministrar à comunidade LGBT, emanariam da liberdade advinda da castidade voluntária. O ensaio do padre redentorista Maurice Nutt em nosso livro sugere que os sacerdotes religiosos afro-americanos podem dedicar-se especialmente ao trabalho ecumênico. Esta pode ser uma área particularmente importante de trabalho para todos os sacerdotes que são religiosos.

As congregações religiosas sempre representaram um aspecto algo carismático da Igreja e do ministério da Igreja, um aspecto que às vezes está em tensão com os valores institucionais de ordem e obediência. Às vezes isso coloca religiosos e religiosas, e em particular padres religiosos, em desacordo com políticas diocesanas ou regras litúrgicas. No espírito de uma “caridade pastoral” mais ampla, as paróquias, as casas de retiro, os ministérios de justiça social ou escolas servidas por sacerdotes religiosos podem, às vezes, convidar oradores, contratar funcionários ou envolver-se em práticas litúrgicas inovadoras que precisam defender diante de autoridades diocesanas, aquilo que o padre claretiano Eddie de Leon chama de "sacerdócio profético".

O sacerdócio respondendo ao carisma

Toda congregação religiosa foi formada em resposta a necessidades especiais na Igreja e de acordo com um carisma particular dado a ela por seu fundador. Um sacerdócio moldado pela vida religiosa é aquele que vive o sacerdócio de modo a incorporar o carisma dentro do ministério sacerdotal. Por exemplo, o carisma dos Missionários do Verbo Divino (SVD) é a missão - tão altamente sintonizado e apreciativo da cultura, e voltado para lugares e povos nos quais o evangelho não foi pregado ou suficientemente enraizado. Muitas outras congregações missionárias têm visões semelhantes.

Os passionistas têm um ministério particular de retiros e missões de pregação, convocando mulheres e homens a meditarem na paixão do Senhor e a entrar mais profundamente no mistério do sofrimento na vida humana. Os Missionários de São Carlos (também conhecidos como Scalabrinianos) realizam seu ministério entre migrantes e refugiados. Os Missionários do Precioso Sangue concentram-se no ministério da reconciliação. Os jesuítas são bem conhecidos por seu ministério de ensino e excelência acadêmica e, depois do Vaticano II, comprometeram-se com o trabalho de ponta pela justiça. Os beneditinos vivem uma vida de oração e mergulham na vida litúrgica da Igreja. Os franciscanos têm enfatizado ultimamente seu caráter leigo como irmãos, enfatizando sua igualdade, ordenada ou não, e dedicando-se, como seu fundador, ao cuidado da criação.

O sacerdócio é vivido de uma maneira particular em cada uma dessas congregações. Refletindo sobre as cinco características que o seminário da Faculdade de Boston propõe, podemos imaginar congregações mais monásticas (por exemplo, beneditinos, trapistas, norbertinas) enfatizando a centralidade da liderança litúrgica para os sacerdotes em suas comunidades. Os passionistas ou redentoristas podem cultivar o ministério da pregação e o ministério da Palavra como sua especialidade e interesse. SVDs, Maryknollers ou Scalabrinianos podem moldar seus sacerdotes como líderes pastorais que constroem comunidades na fé e as conectam à Igreja global mais ampla. Os franciscanos podem viver o sacerdócio como um exercício intenso de caridade pastoral. Os jesuítas e outros envolvidos na educação podem se concentrar em ser representantes da Igreja e modelos de Cristo em tudo o que fazem. O padre franciscano Dan Horan sugeriu que todos os sacerdotes religiosos se concentrassem no ministério de pregação como forma de exercer seu ministério presbiteral.

O sacerdócio com uma visão global

O caráter internacional e multicultural de muitas congregações religiosas traz o dom de uma catolicidade mais visível para toda a Igreja. Sacerdotes em comunidades religiosas são frequentemente formados e ministram em situações em que interagem com membros de diversas áreas do mundo, e também são lembrados da internacionalidade e catolicidade de sua congregação por capítulos gerais internacionais, comunicações de seus generais e membros retornando a seus países de origem, que podem ter servido no exterior. Por um lado, estão enraizados na diocese e no país em que servem. Por outro lado, estão bem conscientes da natureza global do cristianismo e da Igreja Católica.

Os sacerdotes dessas congregações podem oferecer uma visão de harmonia intercultural para as pessoas com quem trabalham. Suas homilias, palestras de retiro, orações dos fiéis na missa, vestimentas e decorações de altar que usam na missa, podem refletir essa visão mundial de ser cristão. Eles podem estar na vanguarda dos movimentos contra o racismo e a xenofobia nas paróquias e nas comunidades mais amplas em que vivem.

Conclusão

Servir ao povo de Deus é um documento importante, que precisa ser lido, estudado e discutido por tantas pessoas quanto possível na Igreja. É equilibrado, profundo e inspirador. O que nossa reflexão tentou fazer é simplesmente destacar o fato de que na Igreja há outro tipo de sacerdócio que se assemelha e complementa o sacerdócio presumido no documento. Não estamos dizendo que os aspectos que destacamos para os sacerdotes religiosos não estão presentes ou são possíveis dentro do sacerdócio em que os sacerdotes diocesanos participam. Estamos dizendo, no entanto, que os aspectos em que nos concentramos talvez sejam mais acessíveis, mais “naturais” para os sacerdotes nas congregações religiosas. Ambos os sacerdócios se complementam. Nenhum está completo sem o outro. Ambos podem aprender do outro. O Espírito enriqueceu grandemente a Igreja com cada um deles.

Nossa esperança é que a reflexão contínua sobre essas duas expressões do sacerdócio enriquecerá nossa compreensão do ministério ordenado e levará a uma formação mais efetiva de candidatos ao sacerdócio.

Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
Notícias
                  
Receba as notícias e artigos da Província Santa Cruz. Cadastre seu e-mail...
Centro Administrativo | WebTop
Seth Comunicação