Padres conservadores pedem a bispos que denunciem papa Francisco como herege
Notícias
            Informações             Notícias             Padres conservadores pedem a bispos que denunciem papa Francisco como herege
03/05/2019 Por Philip Pullella - Reuters - Via Dom Total Notícias Padres conservadores pedem a bispos que denunciem papa Francisco como herege Grupo ataca posições do pontífice em temas como comunhão para divorciados, tolerância a homossexuais, aborto e diversidade religiosa.
A+ a-

CIDADE DO VATICANO – Um grupo de 19 padres e acadêmicos conservadores católicos pediu aos bispos que denunciem o papa Francisco como herege, na mais recente ofensiva de setores ultraconservadores da Igreja que se opõem às posições do pontífice em temas como comunhão para divorciados e diversidade religiosa.

O mais proeminente no grupo é o padre Aidan Nichols, um clérigo britânico de 70 anos da ordem dominicana que escreveu muitos livros e é um dos mais reconhecidos teólogos do mundo anglo-saxão. Os outros são menos conhecidos.

“Tomamos esta medida como último recurso para responder ao prejuízo acumulado causado pelas palavras e ações do papa Francisco ao longo de vários anos, que deram origem a uma das piores crises da história da Igreja Católica”, escreveram em uma carta aberta de 20 páginas.

O texto ataca Francisco por supostamente amolecer a posição da Igreja em uma série de assuntos. Os autores dizem que ele não tem se declarado abertamente o bastante contra o aborto, tem sido muito hospitaleiro aos homossexuais e tolerante demais com protestantes e muçulmanos.

A carta foi publicada nesta terça-feira, 30, no Life Site News, um site católico conservador que frequentemente é usado como plataforma para ataques ao papa. No ano passado, o site divulgou um documento de um ex-embaixador do Vaticano em Washington, o arcebispo Carlo Maria Vigano, pedindo a renúncia do papa.

Um porta-voz do Vaticano não quis comentar a carta, que inclui dezenas de notas de rodapé, versículos da Bíblia, pronunciamentos de vários papas anteriores, e uma bibliografia em separado. A carta convida as pessoas a se juntarem a um abaixo-assinado on-line.

Endereçada aos bispos católicos, a carta diz que “assim, pedimos que Vossas Reverendíssimas urgentemente lidem com a situação da adesão pública do papa Francisco à heresia”. Ela também pede que os clérigos “advirtam publicamente o papa Francisco a abjurar as heresias que professou”.

Decidir se um integrante da Igreja é herege é responsabilidade da Congregação para a Doutrina da Fé, o departamento de fiscalização da doutrina do Vaticano. Massimo Faggioli, um conhecido professor de História da Teologia da Universidade Villanova, nos EUA, diz que a carta é um exemplo da polarização extrema que a Igreja enfrenta.

"Há um apoio acachapante a Francisco pela Igreja global de um lado, e uma minúscula periferia de extremistas tentando mostrar Francisco como um papa herege. O problema é que há poucas críticas legítimas e construtivas do pontificado de Francisco e sua teologia" – disse.

Uma parte significativa da carta se concentra na “Amoris Laetitia” (“A alegria do amor”, em tradução livre), um documento papal de 2016 que é base da tentativa de Francisco de fazer da Igreja de 1,3 bilhão de fiéis mais inclusiva e menos condenatória. Nele, Francisco pede por uma Igreja menos restritiva e mais compassiva em relação ao qualquer integrante “imperfeito”, como aqueles que se divorciam e posteriormente casam novamente em cerimônias civis.

Pelas leis da Igreja, estas pessoas não podem receber a comunhão a não ser que se abstenham de fazer sexo com seus novos parceiros, já que seu primeiro casamento ainda é válido aos olhos da Igreja, se não tiver sido proclamado nulo. A Igreja não permite o divórcio.

Francisco reabriu a porta para algumas exceções, permitindo que a decisão sobre se uma pessoa possa ser totalmente reintegrada e receber a comunhão seja feita por um pároco ou bispo conjuntamente com o indivíduo numa avaliação caso a caso.

Depois que a “Amoris Laetitia” foi publicada, quatro figuras conservadoras da Igreja desafiaram publicamente o papa, acusando-o de semear a confusão em questões morais importantes. O pontífice até agora não respondeu às suas demandas para esclarecer as dúvidas quanto à questão.

A nova carta lista páginas do que chama de “evidências do papa Francisco ser culpado do delito de heresia”. Ela o ataca por ter certa vez dito que as intenções de Martinho Lutero, “pai” da Reforma Protestante, “não estavam equivocadas”. Ela também diz que o pontífice não condenou o aborto suficientemente forte, e tem sido leniente com católicos homossexuais.

A carta critica Francisco ainda por assinar um comunicado conjunto com os luteranos em 2016 no qual o papa diz que os católicos são gratos pelos “presentes teológicos” da Reforma. Ela também ataca o papa por um comunicado conjunto com o proeminente líder muçulmano Abu Dhabi divulgado em fevereiro que diz que o pluralismo e a diversidade das religiões é da “vontade de Deus”. Os conservadores defendem que a Igreja Católica Apostólica Romana é a única verdadeira Igreja e seus integrantes têm a obrigação de converter outras pessoas a ela.


Reuters

Philip Pullella é correspondente da Reuters junto ao Vaticano.

Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
Notícias
                  
Receba as notícias e artigos da Província Santa Cruz. Cadastre seu e-mail...
Centro Administrativo | WebTop
Seth Comunicação