No fórum de Davos, o Papa lembra que no centro da política deve estar a pessoa e não o poder ou o lucro
Notícias
            Informações             Notícias             No fórum de Davos, o Papa lembra que no centro da política deve estar a pessoa e não o poder ou o lucro
22/01/2020 IHU Notícias No fórum de Davos, o Papa lembra que no centro da política deve estar a pessoa e não o poder ou o lucro
A+ a-

Por ocasião do Fórum econômico de Davos, que se realiza de 21 a 24 de janeiro, o Papa enviou ao diretor executivo uma mensagem entregue pelo cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, prefeito do Dicastério para o serviço do desenvolvimento humano integral, que participa como representante da Santa Sé. Publicamos uma tradução do texto.

O texto foi publicado por L'Osservatore Romano, 21/22-01-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o texto.
Ao Professor Klaus Schwab
Diretor Executivo do Fórum Econômico Mundial

Enquanto o Fórum Econômico Mundial celebra seu 50º aniversário, envio cumprimentos e bons votos de oração a todos os participantes do encontro deste ano. Agradeço o seu convite para participar e pedi ao Cardeal Peter Turkson, Prefeito do Dicastério para o Serviço Integral de Desenvolvimento Humano, que o participasse como representante da Santa Sé.

Nos últimos anos, o Fórum Econômico Mundial ofereceu uma oportunidade para o empenho das diferentes partes interessadas na exploração de modos inovadores e eficazes de construir um mundo melhor. Também forneceu um âmbito em que podem ser guiadas e fortalecidas a vontade política e a colaboração mútua na superação do isolacionismo, do individualismo e da colonização ideológica que, infelizmente, caracteriza demais o debate contemporâneo.

À luz dos desafios crescentes e cada vez mais interconectados que o nosso mundo deve enfrentar (cf. Laudato si', 138 e segs.), O tema sobre o qual escolheram refletir este ano - Stakeholders for a Coesive and Sustainable World - indica a necessidade de um maior empenho em todos os níveis, a fim de enfrentar com mais eficácia as diferentes questões com que a humanidade se confronta. Nas últimas cinco décadas, testemunhamos a transformações geopolíticas e mudanças significativas, da economia e mercado de trabalho à tecnologia digital e ao meio ambiente. Muitos desses desenvolvimentos beneficiaram a humanidade, enquanto outros tiveram efeitos negativos e criaram importantes lacunas no desenvolvimento. Embora os desafios atuais não sejam os mesmos de meio século atrás, vários aspectos continuam sendo importantes quando iniciamos uma nova década.

A consideração predominante, que nunca deve ser esquecida, é que todos somos membros da única família humana. O dever moral de cuidar um do outro decorre desse fato, assim como o princípio relacionado de colocar a pessoa humana, em vez da mera busca de poder ou lucro, no centro da política pública. Além disso, esse dever cabe tanto ao setor empresarial quanto aos governos e é imprescindível na busca de soluções justas para os desafios que nos propõem. Portanto, é necessário ir além das abordagens tecnológicas ou econômicas de curto prazo e levar plenamente em conta a dimensão ética na busca de soluções para os problemas atuais ou na proposição de iniciativas para o futuro.

Com demasiada frequência, visões materialistas ou utilitaristas, às vezes ocultas, outras vezes evidentes, conduzem a práticas e estruturas motivadas em grande parte, ou mesmo exclusivamente, por interesses próprios. Geralmente, estes veem os outros como o meio para alcançar um fim e implicam uma falta de solidariedade e caridade, que, por sua vez, dá origem a uma verdadeira injustiça, enquanto o desenvolvimento humano verdadeiramente integral só pode prosperar quando todos os membros da família humana estão incluídos na busca do bem comum e podem contribuir para isso. Na busca de progresso autêntico, não devemos esquecer que pisar na dignidade de outra pessoa significa realmente diminuir o próprio valor.

Na minha Carta Encíclica Laudato si', chamei a atenção para a importância de uma "ecologia integral" que leve em consideração todas as implicações da complexidade e interconexão da nossa casa comum. Tal abordagem ética renovada e integrada requer um "humanismo, que apela aos diferentes saberes, incluindo aquele econômico, para uma visão mais integral e integradora" (ibid., 141).

Ao reconhecer as conquistas dos últimos cinquenta anos, é minha esperança que os participantes do Fórum atual, e aqueles que ocorrerão no futuro, tenham em mente a alta responsabilidade moral que cada um de nós tem em buscar o desenvolvimento integral de todos os nossos irmãos e irmãs, incluindo aqueles das gerações futuras. Que suas deliberações levem a um crescimento em solidariedade, especialmente com os mais necessitados, que experimentam injustiça social e econômica e cuja própria existência está inclusive ameaçada.

A todos que participam do Fórum, renovo meus votos de oração para um encontro proveitoso e invoco sobre todos vocês a bênção da sabedoria de Deus.

Do Vaticano, 15 de janeiro de 2020
Francisco

Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
Notícias
                  
Receba as notícias e artigos da Província Santa Cruz. Cadastre seu e-mail...
Seth Comunicação