A nau dos insensatos
Artigos
            Informações             Artigos             A nau dos insensatos
18/12/2018 EPC A nau dos insensatos
A+ a-

No livro História da Loucura, lançado em 1964, o filósofo e historiador francês Michel Foucault retoma a alegoria da Stultifera navis (nau dos insensatos ou dos loucos) para descrever a sombria trajetória dos indesejados no período da Idade Média, especialmente nos séculos XVI e XVII. Com relativa frequência eles vinham internados em manicômios, hospitais, lazaretos e prisões – segregados da população como pessoas perigosas e portadoras de um vírus contagioso. Foucault retoma a imagem da nau dos insensatos como metáfora para tais internações mais ou menos forçadas. Era de fato em semelhantes naves que, em séculos anteriores, os indejejados eram obrigados a embarcar, sem porto seguro onde pudessem receber ordem para atracar. Eram condenados à deriva sobre as águas por tempo indeterminado.

Entre tais indesejados, figuravam os doentes mentais, os leprosos, as feiticeiras, os hereges, os vadios, os embriagados, os sem teto e sem endereço... Mas também, dependendo da abundância ou carência de mão-de-obra barata e disponível, poderiam ser os sem trabalho, desempregados. Estes últimos, em tempos de vacas gordas e de pouca demanda de emprego, costumavam ser classificados como preguiçosos, indolentes e ineptos para o trabalho regular, sendo por isso mesmo descartados e enviados para qualquer tipo de internamento ou correção. Já em tempos de vacas magras e escassez de braços, todos se tornavam ideologicamente vagabundos, devendo serem resgatados à força e postos a trabalhar.

A alegoria da Nau dos insensatos vem à tona diante da saga recente de outros dois navios à deriva nas águas do Mediterrâneo. Primeiro foi o Aquarius SOS Mediterranée, em junho de 2018, com 629 imigrantes a bordo. Provinham do norte da África e haviam sido resgatados nas costas da Líbia. O caso levantou uma polêmica que, em todo o continente, se arastou por toda uma semana. Na Itália, o Ministro do Interior Matteo Salvini, mandou fechar os portos do país à embarcação, afirmando que a fronteira mediterrânea não é somente italiana, mas de toda a Europa. Após várias discussões e um bate-boca entre as autoridades de vários países, a Espanha acabou abrindo o porto de Valência para o desembarque dos pobres rechaçados, já abatidos e com a bandeira da esperança a meia haste.

Depois veio o Lifeline SOS Mediterranée, com 234 imigrantes a bordo, resgatados igualmente nas costas da Líbia. Novo rechaço por parte da Itália e nova polêmica de Matteo Salvini com os governos dos vários países que formam a União Europeia (UE). Durante seis dias, o navio permaneceu à deriva, sem receber permissão para atracar em porto seguro. A Itália jogou a batata quente para Malta, Malta para a França, a França para a Espanha e esta para a UE como um todo. Ocorreram diversas tentativas de acordos bilaterais e inclusive uma cúpula em Bruxelas com mais de 20 países. Tudo em vão! Todos recusavam abrir um precedente ao receber os africanos. Ao final, Malta decidiu acolher a embarcação, desde que os imigrantes fossem divididos por oito países. Entre estes, a Itália, a Espanha, Portugal, a França, a Holanda e a própria Malta.

Duas naves à deriva: sem rumo certo, perdidas entre um continente novo e periférico e um outro, velho e central. Os tempos são de crise – de vacas magras – mas nem por isso de escassez de emprego. Ao contrário, os trabalhadores braçais são ignorados, indesejados e descartáveis. As “naus dos insensatos” erram de um lado para outro, rompem fronteiras e tentam colher as migalhas do progresso técnico e da economia globalizada, que caem da mesa dos países desenvolvidos. Mas a pressão, o medo e a ameaça das populações desses mesmos países, e não só das autoridades, são fatores de rechaço e de políticas anti-migratórias.

Prova disso é o resultado das últimas eleições em não poucas nações: uma guinada à extrema direita. Os deslocamentos humanos fazem parte não apenas da campanha e de todo o processo eleitoral, mas também da forma de governo dos eleitos. Politizam-se as migrações, criminalizando os próprios migrantes. As leis se tornam mais rígidas, multiplicam-se os muros, instalam-se sofisticados sistemas de vigilància. Por outro lado, enquanto a Europa se fecha aos imigrantes que chegam do sul, a “tolerância zero” de Donald Trump não somente faz o mesmo, mas desencadeia uma política de expatrição dos indocumentados, com a drástica separação entre pais e filhos. Onde vão atracar as novas “naus dos insensatos”?

Artigo do Pe. Alfredo José Gonçalves

Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
Artigos
                  
Receba as notícias e artigos da Província Santa Cruz. Cadastre seu e-mail...
Centro Administrativo | WebTop
Seth Comunicação